À medida que as casas inteligentes estão se tornando mais populares, saindo do reino dos artigos conceituais em revistas de tecnologia para a vanguarda do mercado imobiliário, questões como o impacto sobre as crianças que moram nessas casas começam a surgir. Uma das maiores questões diz respeito ao tema do vício em tecnologia e seus efeitos adversos no desenvolvimento infantil, e outra aponta os possíveis riscos para a segurança de viver em uma casa com eletrodomésticos, alguns adequados para crianças e outros não. Então, as casas inteligentes são um bom lugar para as crianças crescerem?

O vício em tecnologia é um problema para muitas crianças hoje em dia. Freqüentemente, um pai atribui certos deveres parentais a um iPad. Para o desenvolvimento da mente de uma criança, isso pode ter uma variedade de efeitos adversos, como limitação da concentração e do foco e a superprodução de dopamina. Essas são preocupações muito reais que os pais devem abordar ao criar seus filhos, conforme apontado pelo Dr. Aric Sigman, um membro da Royal Society of Medicine da Grã-Bretanha, que disse que “[o tempo de tela] é exatamente o que impede o desenvolvimento das habilidades ”. No entanto, o problema não está na existência dessa tecnologia, mas no uso excessivo dela. Os efeitos adversos da tecnologia aparecem quando uma criança é exposta a ela por períodos prolongados e extensos de tempo e, portanto, com monitoramento e orientação adequados dos pais, morar em uma casa inteligente não deve causar problemas de desenvolvimento na criança.

Outra preocupação que os pais podem ter ao criar uma família em uma casa inteligente é a segurança dos filhos, principalmente no que diz respeito à privacidade. A Dra. Veronica Barassi, da Goldsmiths, da University of London, está conduzindo um estudo sobre os dados de crianças cidadãs coletados por dispositivos em uma casa inteligente. Barassi afirma que esses assistentes virtuais trabalham coletando dados biométricos ao longo do tempo em que os usamos, mas um problema é que eles não diferenciam os dados dos adultos dos das crianças. Ela pediu uma mudança de política na coleta de dados feita por essas empresas para ajudar a proteger as crianças que usam esses dispositivos. Barassi também apontou a hipocrisia por parte dessas empresas ao não reconhecer a complexidade dos dados da vida doméstica e o impacto que eles poderiam ter na proteção das crianças e, ainda assim, incluir as crianças na publicidade de seus produtos.

Casas inteligentes são um fenômeno relativamente novo e, à medida que continuam a se consolidar na corrente principal de nossa sociedade, novas questões e preocupações surgirão. Mas, com uma paternidade consistente e de alta qualidade, que não envolve ter um iPad para cuidar da maioria dos pais, e com mudanças de política para novas tecnologias sendo implementadas nessas casas, as casas inteligentes não devem oferecer nenhum prejuízo ao desenvolvimento da criança.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui