Com o passar dos anos e com o crescimento da Internet nas residências, o roteador tornou-se uma espécie de super-herói da conectividade para mais de 118 milhões de latino-americanos que possuem internet em suas casas. Além de cumprir a função principal de conectar todos os membros da família à rede, ele também é um importante aliado em termos de segurança, educação, entretenimento, produtividade e qualidade de vida para as pessoas.

O roteador é uma parte fundamental da vida das pessoas, pois é o equipamento responsável pela disponibilidade do sinal da rede Wi-Fi – mas muitas vezes ficam esquecidos em cantinhos da casa, com mais de cinco anos de uso, oferecendo tecnologias já obsoletas. Portanto, é muito importante que o roteador acompanhe a evolução tecnológica que temos disponível atualmente.

“Se houver um roteador com vários anos de uso em uma casa, este pode estar ultrapassado para atender às necessidades atuais, causando lentidão ou problemas de sinal. Com o uso cada vez mais massivo de smartphones e tablets, bem como o aumento do consumo de  streaming de filmes, substituir o roteador antigo é fundamental para que a experiência Wi-Fi dos  consumidores possa  se adequar à esta nova realidade. Problemas de lentidão não estão apenas relacionados ao link de Internet, mas também ao roteador antigo, explica Rodrigo Paiva, gerente de produtos da D-Link América Latina.

Para evitar problemas de conectividade e ter uma melhor experiência ao utilizar a internet em casa, a D-Link recomenda a substituição dos roteadores domésticos a cada dois ou três anos. Abaixo, cinco situações que apontam que você deve trocar seu roteador, considerando o equipamento ideal para cada tipo de necessidade.

  1. Rede Wi-Fi lenta. Se você notou que sua conexão com a internet não está muito rápida, mesmo após contratar um serviço de mais de 5 Mbps junto à sua operadora, é possível  que você esteja tendo problemas com seu roteador.

Para melhorar sua experiência de navegação, recomendamos que você adquira um roteador com uma tecnologia mais recente, como os equipamentos com conectividade 11AC como o DIR-809 e o DIR-822. Eles operam em duas frequências, têm velocidades de 750Mbps (DIR-809) e 1200 Mbps (DIR-822), e que oferecem avanços que os posicionam entre os equipamentos Wi-Fi mais rápidos e mais estáveis do mundo. Conheça mais opções de rotadores com essa tecnologia em http://www.dlink.com.br/11ac.

  1. Problemas no alcance de sinal. Para quem mora em uma casa grande ou em um apartamento antigo com paredes grossas e tem problemas com o sinal de Wi-Fi, além de contar com um roteador com a tecnologia 11AC, a solução pode ser complementada por um extensor de sinal Powerline. Os kits Powerline, compostos por um repetidor e um adaptador, ampliam por meio da rede elétrica o sinal Wi-Fi até o ambiente onde o sinal é fraco.
    Além de inovadores, eles têm fácil instalação. Basta ligar o adaptador do kit em uma tomada elétrica próxima ao roteador wireless e conectá-lo ao roteador com o cabo de rede que acompanha o kit. Em seguida, é só plugar o repetidor Wi-Fi Powerline em uma tomada elétrica no ambiente em que se deseja ampliar o sinal. A performance é até quatro vezes maior que um repetidor wi-fi convencional. Mais informações em http://www.dlink.com.br/content/powerline.
  2. Vários dispositivos conectados à rede. Quando há vários dispositivos conectados ao mesmo tempo na rede Wi-Fi, a velocidade de conexão diminui e o problema se agrava se o roteador é antigo ou tem velocidade abaixo de 300 Mbps. Outro fator que interfere não é apenas o número de conexões, mas o uso que cada uma das pessoas da casa faz na rede. Há um roteador ideal para cada tipo de necessidade, além da cobertura/ alcance desejados. Confira abaixo as recomendações de produtos de acordo com a metragem do ambiente, link de Internet e dispositivos conectados.

Apartamentos

apto

 

Casas

casa

 

4. Falta de segurança. É possível que um roteador com vários anos de uso não disponha das ferramentas necessárias para cuidar de seus dados e de sua privacidade. Alguns dos roteadores 11AC, como o DIR-868L e o DIR-890L contam com a funcionalidade de nuvem (cloud), que permite, por exemplo, ver quem está conectado à sua rede, acessar o seu histórico de navegação e, inclusive, bloquear páginas que não deseja que sejam acessadas por seus filhos.

5. Interferências na rede. Nem sempre a operadora ou provedora que fornece banda larga é culpada pela conexão estar lenta. O problema pode estar no roteador antigo, que além de não ter a velocidade e o desempenho necessários para atender as demandas, utilizam como padrão apenas a banda de 2,4Ghz. O ideal, para garantir maior tranquilidade, e evitar interferências com aparelhos como o microondas e o telefone sem fio, é procurar roteadores que operem, além da banda de 2,4Ghz, com 5Ghz – são os equipamentos chamados dual band. Essa frequência é mais ampla e conta com 23 canais que não se sobrepõem. Alguns dos roteadores com este recurso são o DIR-809, DIR-822, DIR-859 e DIR-890L.

Agora, você sabe como está a sua conexão atualmente? Faça testes de velocidade (existem serviços gratuitos disponíveis na internet como, por exemplo, o speedtest) e compare se está alcançando o desempenho e a capacidade que realmente contratou junto à sua operadora. Analise se é um problema de serviço ou se chegou a hora de substituir seu roteador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.