Tempo para Leitura: 3 minutos

“Vilanizar” certos tipos de alimentos se tornou uma prática comum. Carboidratos, açúcares e gorduras, quase sempre são apontados como inimigos da dieta e da vida saudável. O que muita gente não sabe é que, na verdade, eles são essenciais para o bom funcionamento do organismo e trazem benefícios quando consumidos com equilíbrio. “Uma alimentação balanceada depende de todos os nutrientes e compreende todos os grupos alimentares, só assim é possível garantir o bom funcionamento do organismo e a manutenção da saúde”, afirma o Dr. Daniel Magnoni, cardiologista e nutrólogo do Hospital Dante Pazzanese.

As gorduras, por exemplo, são capazes de criar uma reserva energética para o corpo. Além disso, são isolantes térmicos, auxiliam na utilização mais eficaz das proteínas e carboidratos, na sintetização de muitos hormônios e na formação de membranas celulares.  As gorduras monoinsaturadas (ômega -9) e poli-insaturadas (ômega 3 e 6) trazem benefícios como a prevenção de doenças cardiovasculares quando consumidas regularmente e em porções adequadas.

Os carboidratos fornecem energia ao corpo e a glicose – molécula base do elemento –, por sua vez, é a principal fonte energética para o funcionamento do cérebro. “As fibras, que são carboidratos não digeríveis, também ajudam na redução do colesterol alto, prevenção de doenças do coração, no bom funcionamento do intestino, e na diminuição do risco de diabetes do tipo 2”, completa o Dr. Daniel Magnoni.

O açúcar faz parte da família dos carboidratos e está presente em diversos alimentos, como a frutose nas frutas e a sacarose na cana. Este ingrediente estimula a produção do neurotransmissor serotonina, responsável pela sensação de bem-estar e prazer. Além de possuir a capacidade de acentuar o sabor, dar textura e cor aos alimentos, equilibrando a acidez dos produtos e atuando também como conservante.

Diferenciando os elementos:

Muitas vezes, as pessoas confundem os carboidratos (especialmente os açúcares) com as gorduras. Porém, há várias disparidades, tais como o processo de absorção e digestão e a proporção de suas moléculas.

O carboidrato pertence a família dos nutrientes, divididos em simples e complexos. Na classificação simples estão os açúcares, separados em monossacarídeos e dissacarídeos, e os complexos, que são os polissacarídeos (amidos e fibras), moléculas maiores formadas por monossacarídeos. “Para digestão e absorção dos carboidratos há uma quebra das moléculas maiores. O objetivo principal no processo de digestão é transformar os carboidratos em glicose para fornecer energia às células de forma rápida”, esclarece o Dr. Daniel Magnoni.

Já a gordura pertence à classe de nutrientes denominada lipídeos, compostos pouco solúveis em água. Os lipídeos são classificados em triglicérides (óleos e gorduras), fosfolipídios (lecitina), esteróis (colesterol) e vitaminas lipossolúveis. As triglicérides são formadas por glicerol e ácidos graxos, que são divididos em saturados, monoinsaturados e poli-insaturados.

Segundo o Dr. Daniel, o processo de digestão e absorção dos lipídios envolve a emulsificação, ou seja, a mistura da gordura com outros elementos. Isso é feito pela bile (uma espécie de detergente produzido pelo fígado). Assim, os lipídeos podem ser digeridos pelas lipases, que são as enzimas que quebram a gordura, e absorvidos pelas células intestinais.

Entendendo os rótulos:

Cada grupo de nutriente tem diferentes nomes e também subgrupos sendo comum o consumidor ter dificuldades para entender o que está escrito na embalagem. “O termo caloria aparece em qualquer rótulo e é a energia que o nosso corpo utiliza e que vem dos alimentos. As calorias são calculadas a partir da quantidade de gorduras, proteínas e carboidratos presentes nos produtos”, explica o cardiologista. Ele ainda completa1:

  • Carboidratos:

“Os rótulos dos alimentos fornecem as quantidades de carboidratos totais, de fibras e de açúcares. Também é possível identificar na rotulagem a lista de ingredientes dos produtos, que descrevem o tipo de açúcar usado na produção como, por exemplo, o açúcar invertido, a maltodextrina, a frutose, entre outros”, diz o Dr. Daniel Magnoni.

  • Gorduras:

Os rótulos mostram o teor de gordura total e os índices de gordura saturada, de colesterol e de gordura trans. As saturadas são, por exemplo, as carnes vermelhas, o toucinho (bacon), a pele de frango e os derivados do leite. Já o colesterol está presente no fígado e outras vísceras, na gema dos ovos e nas gorduras de alimentos derivados do leite.

Referências:

  1. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Rotulagem nutricional obrigatória: manual de orientação aos consumidores. Alimentos / Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Universidade de Brasília – Brasília : Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Universidade de Brasília, 2001. 45p.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.