Na última quarta, uma composição da linha Esmeralda teve de ser esvaziada por conta de acidente, cuja causa pode ser o superaquecimento de bateria

No Brasil, apenas as baterias destinadas a telefones celulares são obrigadas a passar por testes para serem certificadas pela Resolução 481/2007 da Anatel. Elas têm de ser projetadas e construídas com materiais que resistam ao calor e à pressão física, além de contarem com circuitos de proteção para evitar a sobrecarga.

Contudo, há casos de celulares estrangeiros que não passam por essa avaliação e/ou casos onde a bateria de lítio está sujeita a condições anormais de uso, tais como, aquecimento excessivo, pressão mecânica sobre sua área externa ou sobrecargas que podem comprometer sua isolação por curto circuito levando a bateria a esse tipo de explosão.

Esse pode ter sido o caso do acidente com o celular da usuária da linha Esmeralda, que levou ao esvaziamento da composição na Estação Santo Amaro.

“O risco é causado não apenas pela fumaça e fogo que se propaga de uma célula para toda a bateria, mas em alguns casos pode gerar explosões com projeções de suas partes”, explica Jose Antonio de Souza Junior, gerente de operações da divisão Consumer Technology da UL do Brasil, uma das empresas líderes globais em ciências da segurança

O QUE FAZER – Alguns cuidados podem ser tomados pelos consumidores para minimizar o risco de acidentes com equipamentos que possuem baterias de lítio:

– Evitar exposição a altas temperaturas;

– Evitar mantê-las em ambientes úmidos

– Carregar a bateria sempre em local arejado

– Não provocar curto circuito (ligando as duas polaridades com material condutor, como um fio) ou aplicar polaridade reversa

– Não submetê-las a esforços mecânicos (esmagamento, impactos, mutilação, penetração) e não desmontá-las

– Evitar descargas completas

– SEMPRE utilizar baterias certificadas

Deixe uma Resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here