Tempo para Leitura: 3 minutos

Entre o “era uma vez…” e o “viveram felizes para sempre!” tudo pode acontecer na tela branca da nossa imaginação. Os contos de fadas têm esse poder de transformar a simplicidade de um gesto em uma lição que levaremos para o resto da vida. No ano em que a animação preferida de Walt Disney completa 55 anos, chega aos cinemas uma re-leitura da história contada a mais de 400 anos, baseada na sua vilã mais famosa e emblemática.

Diferentemente dos U$ 6.000.000 gastos nos 10 anos que a animação demorou para ser finalizada em 1959, Malévola (Disney) é uma dessas obras de arte a custos estratosféricos, mas que tem tudo para se tornar um clássico dos tempos modernos. Não é uma adaptação qualquer, é o novo jeito de se ver o mundo, com a presença importante da mulher no comando. É uma coisa obvia: elas nos geram, criam, educam, cuidam, e por que então devemos mandar nelas quando nos tornamos adultos? Alguma coisa estava errada nessa forma de centralização do homem no poder, na verdade devemos, sim, dividir tudo com elas ou até sermos mandados por elas, afinal, quem tem o dom de dar vida não pode ser relegado a ser coadjuvante.

Foram U$ 200.000.000 de orçamento, meses de filmagens nos tradicionais estúdios Pinewood, enormes cenários físicos, e um time de profissionais do primeiro escalão para contar essa história não contada. Uma bela e ingênua jovem com atordoantes asas negras, Malévola (Ella Purnell e Isobelle Molloy vivem a personagem jovem e adolescente e Angelina Jolie, que não poderia estar mais perfeita, já na idade adulta), leva uma vida idílica, crescendo em um pacífico reino de uma floresta, até que o dia em que um exército invasor de humanos ameaça a harmonia da região.

Malévola surge como a mais feroz protetora do local, mas acaba sendo vítima de uma impiedosa traição — um acontecimento que começa a transformar seu coração outrora repleto de pureza em pedra. Determinada a se vingar, Malévola enfrenta uma batalha épica contra o rei Stefan (vivido por Toby Regbo e Michael Higgins ainda jovem e Sharlto Copley que ficou conhecido em Distrito 9 é o rei em sua fase adulta) e, como conseqüência, amaldiçoa sua filha recém-nascida, Aurora (vivida na fase bebê por Eleanor Worthington Cox, na fase criança por Vivienne Jolie-Pitt, filha de Angelina e Brad,e na adolescente pela competente e linda Elle Fanning, que surpreendeu em Super 8). Conforme a menina cresce, Malévola percebe que Aurora é a peça essencial para estabelecer a paz no reino — e para a verdadeira felicidade de Malévola também.

O filme é grandioso, tem cenas líricas e extremamente bem realizadas em cenários reais e de computação gráfica, foi elaborado por um time de profissionais em sua produção que dificilmente será batido em capacidade individual. É engraçado na medida certa, sério e forte em momentos chave, e a personagem de Angelina Jolie tem o tom exato. Suas impagáveis caras e bocas são o ponto de equilíbrio para dar a famosa “quebrada” durante um momento tenso. Ela faz o melhor “What?” do cinema nas últimas décadas.

O pacote é completo: capa, espada, rei, rainha, príncipe, princesa, fadas madrinhas, castelos, seres místicos, dragão, enfim todas as referencias obrigatórias nesse tipo de filme. O único senão é a participação um pouco atrapalhada demais das fadinhas, que na verdade abrem espaço para a personagem central ser o ponto chave. Na história que conhecemos, elas formam a consciência e a personalidade da bela adormecida, já nessa versão nada ou quase nada representam na formação do caráter da loira.

A direção de Robert Stromberg, que foi diretor de arte em filmes como Avatar, Alice no País das Maravilhas e Oz: Mágico e Poderoso, por ser seu primeiro longa, é firme, seguro e soube mesclar como poucos os efeitos com os personagens de carne e osso. Nesse time, estão a roteirista Linda Woolverton (O Rei Leão, A Bela e a Fera) o cinegrafista ganhador do prêmio da Academia® Dean Semler (Dança com Lobos, Na Terra de Amor e Ódio), o desenhista de produção Gary Freeman (O Resgate do Soldado Ryan, Supremacia Bourne), a figurinista duas vezes indicada ao Oscar® Anna B. Sheppard (A Lista de Schindler, O Pianista), o maquiador sete vezes ganhador do prêmio da Academia® Rick Baker (Planeta dos Macacos, Homens de Preto) e os montadores Chris Lebenzon (Alice no País das Maravilhas, Frankenweenie) e Rick Pearson (Vôo 83, Homem de Ferro 2).

Não é demais afirmar que esse filme deve concorrer e vencer diversos prêmios técnicos, não é exagero dizer que seus personagens, vistos por uma nova ótica, devem marcar essa nova geração de crianças e adolescentes, muito menos que a produção, que estréia hoje no Brasil e depois no resto do mundo, chega para fazer, finalmente, justiça com as mulheres.

Não se trata de um filme masculino, nem que a força e a maldade do homem superam a pureza de sentimentos, não é um sono que durou mais de 100 anos, é uma realidade de pouco mais de uma hora e meia que vai mudar seu jeito de ver um conto de fadas, esse sim, por um viés mais humano. É a implacável magia da Disney, agora na versão politicamente correta.

A gente se encontra na semana que vem!

Texto: Eduardo Abbas

Fotos: Disney

Beijos & queijos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.