Tempo para Leitura: 4 minutos

Logo após a prova de rua de Cingapura, onde os dois pneus mais macios foram os escolhidos, a Fórmula 1 segue direto para o Japão neste fim de semana, com os dois pneus mais duros: o P Zero Laranja duro e o P Zero Branco médio. Isso, porque o circuito de Suzuka contém algumas das curvas mais rápidas e exigentes para a categoria, como, por exemplo, a lendária 130R, que já faz parte da história da Fórmula 1. Como resultado disso, algumas das mais extremadas cargas de energia passam pelos pneus, o que ajuda a aquecê-los mais rapidamente. Isso requer os dois compostos mais duráveis da gama de maneira a manter a aderência mais consistente.
Devido ao clima notoriamente variável de Suzuka, os pneus Cinturato para pista molhada e intermediário devem ser vistos em ação nestes três dias, mesmo considerando que a prova será disputada uma semana mais cedo do que o habitual. As equipes devem estar bem preparadas para quaisquer situações, nesta pista que outrora foi palco da coroação de muitos campeões.
Paul Hembery, diretor de automobilismo da Pirelli: “Do ponto de vista dos pneus, Suzuka é um dos circuitos mais agressivos do calendário da Fórmula 1. Ele é comparável aos de Silverstone e Spa-Francorchamps. Como foi recapeado algumas vezes nos últimos anos, a tradicional rugosidade dos últimos anos foi reduzida um pouco. Mas isso não o torna mais fácil, nem menos desafiador. Também não é incomum enfrentar problemas com o clima, aqui em Suzuka. Às vezes, ele é extremamente chuvoso e, outras, dramaticamente quente. Nos últimos anos, tivemos estas duas situações aqui – e, algumas vezes, até as duas no mesmo fim de semana. Por isso, é um circuito muito difícil de modo geral. Os pilotos definitivamente adoram a experiência de pilotar aqui, e ao longo das atividades do fim de semana nós sempre temos o privilégio de encontrar alguns dos mais apaixonados e dedicados fãs que acompanham a temporada em diversas etapas. Eles são uma parte vital daquilo que torna Suzuka tão especial. Claro, como para todo mundo, Jules Bianchi estará em nossos pensamentos, mais do que nunca neste Grande Prêmio do Japão.”

Os maiores desafios para os pneus
Suzuka é um circuito muito rápido e sinuoso. Na medida que tem cargas muito elevadas de energia (por causa de suas curvas de alta), possui também uma das menores exigências longitudinais do ano, graças poucas alternâncias entre acelerações e frenagens. Por outro lado, os pilotos mantêm a aceleração no limite quase que durante toda a volta, inclusive em curvas muito longas, como a 130R (que foi batizada assim em homenagem ao seu raio) e a Spoon, que demandam muita energia dos pneus. A 130R é totalmente feita de pé-cravado em sétima marcha a uma velocidade acima dos 300 km/h, resultando o maior trecho de força G contínua do ano.
Ainda que Suzuka tenha sido recapeada várias vezes nos últimos anos, o seu asfalto ainda é bastante abrasivo. Há um relativo alto grau de evolução da pista ao longo do fim de semana: na sexta-feira, em particular, o circuito ainda está muito “verde”, pouco emborrachado, o que faz com que a degradação dos pneus gere alguns riscos, já que o nível de aderência ainda está longe do ideal.
Suzuka é, tradicionalmente, exigente quando se fala em desgaste e degradação, fazendo com que o gerenciamento dos pneus seja ainda mais importante do que normalmente. Com os riscos de chuva e de entradas do Safety Car, além das muitas oportunidades de ultrapassagens, esta é uma corrida onde as estratégias estão extremamente abertas, e dependem das circunstâncias que se apresentam.

suzuka

A estratégia do ano passado e como a corrida foi ganha: A prova começou com Safety Car e foi disputada com chuva do começo ao fim. Lewis Hamilton venceu pela Mercedes largando da 2ª colocação, com pneus Cinturato Azul para chuva e parando nas voltas 14 e 35 para colocar os intermediários.
Expectativa de performance entre os dois compostos: 0s6 a 0s8, por volta.
O número escolhido pela equipe Pirelli nesta corrida: #5, Christian Staurenghi, gerente do Hospitality Center da Pirelli diz que gosta tanto do número 5 que o tem tatuado no seu pé. “O número 5 é como as minhas iniciais: um C sobre um S. Além disso, em minha família, somos em cinco pessoas.”
Quem estamos seguindo no Twitter esta semana: @serenawilliams. Além dela compartilhar o seu nome com uma das equipes mais famosas, a tenista não tem muito a ver com a Fórmula 1. No entanto, ela foi recentemente anunciada como uma das estrelas da edição de 2016 do Calendário Pirelli, que será lançado em breve. Com seus 5,4 milhões de seguidores no Twitter, ela tem mais fãs online do que Lewis Hamilton.

As escolhas de pneus até agora:

 P Zero VermelhoP Zero AmareloP Zero BrancoP Zero Laranja
Austrália MacioMédio
Malásia Médio             Duro
China MacioMédio
Bahrein MacioMédio
Espanha  MédioDuro
MônacoSupermacioMacio  
CanadáSupermacioMacio  
ÁustriaSupermacioMacio  
Inglaterra  MédioDuro
Hungria MacioMédio
Bélgica MacioMédio
Itália MacioMédio
CingapuraSupermacioMacio  
Japão  MédioDuro
RússiaSupermacioMacio 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.