Tempo para Leitura: 2 minutos

Texto: Eduardo Abbas

 

                        Para muitos, o diretor tinha abandonado de vez os seus estereótipos violentos e cheios de situações que mostram a pior face do ser humano quando dirigiu e produziu A Invenção de Hugo Cabret (GK Films, Infinitum Nihil, Paramount), indicado a 11 estatuetas do Oscar e vencedor de 5 delas. Mas parece que o indomável cineasta não se contenta em fazer apenas filmes para todas as idades, os adultos realmente são o objeto de desejo do diretor.

                        De todos os personagens retratados em seus filmes, talvez Scorsese tenha equiparado o personagem Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio) ao perturbado Travis Bickle (Robert De Niro) de Taxi Driver (Columbia Pictures), criando assim um misto de bom garoto mas com muitos, muitos problemas. O resultado é que a fórmula deu certo e DiCaprio já ganhou o Globo de Ouro de melhor ator e de quebra teve indicação ao Oscar desse ano.

                        Com estréia marcada nos cinemas brasileiros para dia 24 de janeiro, O Lobo de Wall Street (Red Granite Pictures, Appian Way Productions, Sikelia Productions Emjag Productions, Paris Filmes) chega realmente para abalar as estruturas dos que ainda acreditavam em glamour e honestidade no mundo dos negócios na selva Yankee. Longe de ser uma comédia, mas com cenas engraçadas, o filme é baseado na história real de Jordan Belfort, um corretor de títulos da bolsa norte-americana. A loucura começa quando, durante o dia ele ganhava milhões de dólares por minuto, e nas noites gastava com sexo, drogas e viagens internacionais. Dinheiro, poder, mulheres e drogas nunca eram suficientes, porém, suas artimanhas e a vida corrupta levaram-no para a prisão, onde ficou por 20 anos por fraudar investidores – num esquema que envolveu pessoas de praticamente todo o sistema bancário norte-americano.

                        As atuações são densas e tem um enorme grau de dificuldade dos atores em vários momentos, tudo isso se deve a mão firme e precisa do diretor, que, segundo informam os produtores, esteve presente em 98% das cenas do filme, mesmo aquelas em que estar lá não faria muita diferença. Talvez por isso, a sua presença no set e a ausência na ilha de edição tenham de certa maneira comprometido a montagem final. Em alguns cortes nas situações chaves, os mesmos eram, digamos, amadores. Em algumas cenas, o tal “fotograma a mais” incomodou quando os personagens estavam em uma conversa em que tudo parecia vir à tona. Mas nada que comprometesse o todo, muito pelo contrario, o filme tem todas as condições de conquistar prêmios importantes na cerimônia da academia, já que está indicado a Filme, Ator, Ator Coadjuvante, Diretor e Roteiro Adaptado.

                        Tirem as crianças da sala, é um programa para adultos que gostem do tema, é forte, violento, tem muita gente pelada, tem muito uso de drogas, tem vários palavrões, tem situações vexatórias, é engraçado em alguns momentos, e explora tudo ao extremo. Não é um filme para ser unânime, é de se amar ou odiar. Viva a liberdade de expressão!

A gente se encontra na semana que vem!

Beijos & queijos

e-mail: [email protected]

Follow me on twitter: @borrachatv

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.